COLETIVO 284 LANÇA NOVA IDENTIDADE CORPORATIVA.

Estivemos a conversa com Adriana Scartaris e Paulo André fundadores e Diretores criativos do COLETIVO 284, conceito multidisciplinar em pleno processo de evolução e transformação. Um testemunho na primeira pessoa que visa enquadrar os novos desafios deste coletivo que nasceu em Lisboa há um ano e que promete revolucionar a vida cultural da cidade.

1) COLETIVO284 . Quais são as singularidades que compõe este Coletivo?

PA:. Projeto criado por 2 empreendedores com valências diferentes mas com mesma visão do mercado, com mesmo propósito e querendo deixar um legado. Criamos um espaço de partilha que abrange todas as áreas criativas. É um espaço onde tentamos que exista uma imersão, que os visitantes se consigam desligar do exterior

AD:. Algumas palavras representam os nossos pilares principais:
Conexão: faz todo o sentido pois conectamos criativos com indústria, artistas com público, marcas com prescritores, mentorandos com mentores, empresas com a mídia… Porém, como construir uma ponte entre Portugal e Brasil necessitará de muitos pilares, a cada dia um novo pilar se aglutina e torna o projeto mais forte.
Propósito: Fomentar e fortalecer o mercado é a nossa ação em prol de construir um grande legado e vemos cada vez mais e mais criativos e empresas com o mesmo propósito se juntarem a nós.
Disrupção: O que até ontem era apenas a interrupção do curso normal de um processo, hoje faz muito mais sentido se comparado ao que se diz sobre a eletricidade. A disrupção é o restabelecimento brusco da corrente elétrica que causa faíscas e intenso gasto de energia acumulada. Pois é assim que sinto. Viemos para romper com processos monótonos de relações comerciais e para colocar um tempero poderoso a base de muita energia.

2)Qual a filosofia e modus operandi deste conceito conceptualmente heterogéneo e potencialmente aglutinador? Como definem o coletivo?

PA:. Queremos que todos agreguem a todos. Só faz sentido se todos partilharem conhecimento e contatos. É a minha maneira de estar na vida e de fazer negócios desde sempre. Só o tentei replicar. É muito bem resumido no nosso lema, “ se queres ir rápido vai sozinho se queres ir longe vai em grupo” . É um local de relação onde procuramos encurtar barreiras entre criativos e indústria ou entre profissionais e marcas. É um conceito muito inovador e arriscado para um mercado e um país que pensa pequeno e individualmente . Mas se fosse igual e sem risco não tinha piada. A Adriana e eu e todas as pessoas com quem partilhamos o projeto e nos ajudaram a crescer são pessoas já com um percurso profissional consolidado. Não íamos querer fazer algo igual ao que existe. Acreditamos que só uma economia colaborativa e partilhada tem futuro.

AD:. O COLETIVO 284 é um polo de partilha energético, um gerador e promotor de conhecimento, um berço de ideias que geram novas ideias, que estimulam novas formas, conceitos e atitudes, que provocam novos movimentos e transformações nas áreas do design, arquitetura, moda, arte, comunicação e marketing. Sempre com o objetivo de criar valor e relevância, construir um legado, fazer a diferença.

3) Qual a estratégia que adoptaram na afirmação do projecto numa Lisboa em perfeito estado de ebulição cultural e económica?

PA:. O projeto começou a ser pensado faz uns anos e muito pela grande quantidade de brasileiros a vir para Portugal. A ideia era e ainda é trazer um grande evento de decoração brasileiro para Portugal. Mas rapidamente se percebeu que poderia ser muito mais, aproveitando também que Lisboa se tornou a cidade da moda na Europa.

AS:. A começar por não fazer “mais do mesmo”. Eu e Paulo somos pessoas que realmente pensam “fora da caixa” como se diz no Brasil. Esta maneira de ser já nos trouxe grandes desafios e muita incompreensão nas nossas trajetórias individuais porém, isso só nos estimulou a seguir em frente. Das nossas vivências parecidas neste sentido, trouxemos o jeito de fazer negócios sem individualismo e com um ar de desprendimento que surpreende e atrai a todos. Mas engana-se quem pensa que por traz deste jeito leve de fazer negócios não existe um planeamento firme e vencedor. Somos leves sim e damos protagonismo aos que estão connosco sem descuidar dos resultados que, para a nossa satisfação crescem na medida da nossa velocidade que é grande!

4) A ponte criativa e económica- Portugal – Brasil, é pontual ou visceral?

PA:. É visceral. O mercado brasileiro é gigante. Claro que agora existe o assunto segurança , mas penso que com as nossas capacidades poderíamos ser uma grande mais valia para toda a criatividade brasileira.

AD:. Absolutamente e maravilhosamente visceral. Essa mistura das principais características dos criativos portugueses e dos brasileiros torna o grupo muito forte e uns aprendem com os outros. Acreditamos no diverso e na força que muitas vozes possuem quando estão juntas. A energia gerada pela diversidade de ideias só nos fortalece e traz ainda mais penetração no mercado.

5) Depois de completarem um ano de criatividade singular em colectivo, como definem a experiência numa abordagem espaço-temporal?

PA:. Foi um ano incrível que passou a voar. Muita coisa a acontecer ao mesmo tempo e tudo muito rápido. Muita coisa a acontecer para além do que tínhamos pensado, para tão breve. A mudança de estratégia de imagem estavam pensada mas só para 2020, mas com tudo tão rápido tivemos de reagir.

AS:. Como um turbilhão de sensações fortes e de estímulos criativos que só senti igual no início da minha atividade profissional. Hoje concluo que, após 35 anos de carreira, ter novamente aquele brilho nos olhos faz mesmo toda a diferença. Sempre dissemos: “ Se quer ir rápido vá sozinho e se quer ir longe vá em grupo”; depois deste primeiro ano, percebo que tivemos o melhor da nossa frase de propósito inicial pois, fomos em grupo, fomos rápido e mais longe do que esperávamos.  Tudo o que planeamos para conquistar até o final de 2020 já conseguimos agora antes do final de 2019 e isso nos estimula a buscar ainda mais concentração e foco com parceiros comprometidos. A nova comunicação faz parte desta conquista veloz e enriquecedora. Estou particularmente ainda mais otimista, empolgada e comprometida com o nosso propósito.

6) O COLETIVO 284 operou uma revolução na sua identidade gráfica. Qual a estratégia por detrás do Rebranding? Como definem este composto de mudança.?

PA:. Para facilitar a compreensão e explicação do projeto. Estava pensado que seria necessário, porque assumidamente não o conseguimos implementar no início. Pensávamos que poderíamos esperar até Janeiro mas com tudo a acontecer tão rápido não deu para aguardar. A ideia da “mudança” é unificar, uniformizar, simplificar, aclarar para se perceber melhor tudo o que fazemos.

AS:. Tornar a nossa comunicação mais clara e organizada além de agregar conceito e design se tornou necessário. Sempre tivemos metas ousadas e trabalhamos para superá-las antes do previsto mas, confesso que superamos as nossas próprias expectativas pois fizemos tantas coisas e agregamos tanto valor ao projeto inicial, que a comunicação precisou ser totalmente revista antes do previsto. Agora temos uma comunicação integrada com identidade gráfica que nos representa e diz tudo o que fazemos, que não é pouco.

7) Partilhem connosco a aventura que foi seleccionar um atelier criativo capaz de materializar a vossa visão estratégica. Qual a importância da DIGITALAB em todo o processo de definição da nova imagem corporativa?

PA:. Foi preponderante conhecer o Brimet logo no início da criação do Coletivo 284 e da empatia que se senti com Ele. Depois a mesma empatia que a Adriana teve ao conhecê-lo. Perceber que foi alguém que entendeu logo o projeto mesmo antes de estar todo delineado. Que sentiu e percebeu de imediato a intenção de imersão no espaço que estávamos a criar. Mais tarde perceber que Ele era a Digitalab ainda foi melhor. Depois de conhecer melhor o trabalho do atelier penso que foi a escolha ideal para conseguir simplificar e unificar o todo do Coletivo 284. Alguém que conhecia projeto desde muito cedo. Alguém que já fazia parte do Coletivo 284 como diretor criativo de várias marcas presentes. E alguém que pensa mais além como nós. Claro que foi ideal existir Uma Mariana . Acho que Ela se sentiu logo envolvida pelo projeto e a visão e críticas dos dois foi muito importante para nós. Com visões bastantes diferentes das nossas, mas como é da discussão que vem a razão e depois de fechado o rebranding e toda a estratégia penso que a escolha não poderia ter sido melhor. Estou muito contente e orgulhoso pela escolha que fiz. Foi um esforço que não estava programado para esta altura e com esta envergadura , mas que não pude não correr. Ainda bem que a Adriana confiou e acreditou.

AS:. Eu tenho um momento muito especial para contar e adoro contar histórias! Para mim, as histórias nos conectam com as experiências mais importantes das nossas vidas.
Vamos lá: O Coletivo 284 nasceu no dia 9 de outubro de 2018 e já começamos a trabalhar forte no projeto. Eu e Paulo somos mesmo incansáveis e amamos tudo isso! Um pouco antes do dia 4 de junho de 2019, quando inauguramos a sede do Coletivo 284, eu estava no espaço, em meio a uma agitação imensa de profissionais envolvidos com a instalação e montagem de seus produtos, com muito barulho e aquela aparente confusão típica de montagem final. O Brimet Silva, diretor da Digitalab e também diretor criativo de uma das nossas marcas ativadas, estava lá envolvido com o acabamento de uma grande parede, toda revestida em cortiça e com volumes incríveis, que foi criada por ele. Quando vi aquela cena, o criativo tão envolvido com os pequenos detalhes da sua criação, como se nada mais acontecesse em volta, foi como aquela cena de filme que fecha o ângulo, o ruído intenso some e o silêncio exalta a cena principal, em que a poesia aparece e logo em seguida se percebe uma luz especial e uma música suave nos faz esquecer de todo o resto.
Tenho uma bela recordação deste momento em que senti carinho, comprometimento, envolvimento profissional e muita competência. Ele estava a cuidar de sua criação, mas também cuidava do meu sonho naquele momento. Estava criada uma âncora de admiração pelo profissional e, quando a necessidade de repensar e redesenhar a nossa identidade corporativa se fez urgente, não havia dúvidas sobre quem seria o autor. Veio Mariana Resende, que integra a Digitalab e trouxe ainda mais conexão com leveza e muita organização. Eu me aproximo das empresas e marcas por causa das pessoas e dos valores que elas apresentam e com a Digitalab não foi diferente. Estou aprendendo muito; a aventura da “metamorfose” faz todo o sentido porque é vivida em grupo e o grupo é de gente muito boa e competente.

8) O rebranding é um reboot estratégico, ou um upgrade visual?

PA:. É totalmente estratégico. Penso que a nível de imagem nunca tivemos uma imagem descuidada, mas com o abrir de tantas frentes do Coletivo 284 tínhamos de as conseguir unificar e comunicar melhor. Na verdade o primeiro projeto de imagem não ficou concluído e ficou só pelo logotipo. Agora temos algo transversal a todas as áreas em que O Coletivo 284 pode tocar.

AS:. Um reboot estratégico muito motivador e preparado para o crescimento que já se anuncia. Eu gosto muito de planear. É no planeamento que desenho os meus momentos de agir e de dar saltos. Agora com o rebranding temos mais segurança e clareza na comunicação, que será uma poderosa ferramenta a ser utilizada nos nossos próximos passos.

9) O coletivo afirma-se como uma plataforma de promoção da arte, design, arquitectura, gastronomia etc..Fazendo uma viagem no tempo. Como é que desenham o futuro do coletivo 284.

PA:. Promissor. Existem algumas ações previstas ainda para 2019 e muitas para 2020. Muito em breve vamos ter uma ampliação do espaço. Seguramente muito para fazer e crescer, tanto dentro do atual espaço do Coletivo 284, como no Novo espaço do Coletivo 284, como fora de portas.

AD:. Eu e Paulo falamos todos os dias sobre um novo criativo, uma nova proposta de parceria, uma nova empresa… Percebemos que estamos mesmo no caminho certo e nos firmamos como um polo aglutinador que atrai ideias incríveis. Paulo tem um poder de realização que nunca encontrei antes em outro empreendedor. Eu concentro o meu poder criativo em enxergar além das possibilidades e planejar estrategicamente todos os nossos passos. Com as possibilidades que aparecem a cada dia e o nosso empenho estou certa de que o crescimento será constante, coerente com o nosso propósito e seguro nos pilares que erguemos todos os dias na construção da nossa ponte.